Integração do São Francisco está em fase final com 86,3% das obras concluídas

PISF (Projeto de Integração São Francisco). Imagem Br Integração

Trabalhos deverão ser finalizados em dezembro deste ano. Antes disso, a água do rio já beneficiará populações em Pernambuco, Ceará e Paraíba


Do Blog do Planalto -  Brasília-DF, 6/5/2016 

O empreendimento que tem transformado a paisagem do sertão brasileiro e levará água a mais de 12 milhões de pessoas em quatro estados - Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte - está cada vez mais próximo de ser concluído. Em abril, o Projeto de Integração do Rio São Francisco alcançou o índice de 86,3% de avanço físico nos dois eixos de obras. Nesta sexta-feira (6), em Cabrobó, a presidenta Dilma Rousseff visitou uma das maiores estruturas do projeto: a segunda estação de bombeamento (EBI-2) do Eixo Norte.

Acompanhada dos ministros Josélio Moura, da Integração Nacional, e Maurício Muniz, da Secretaria de Portos, Dilma Rousseff sobrevoou trechos da maior obra de infraestrutura hídrica do país. "Esta é uma obra que há muito tempo estava proposta para o Brasil, desde a época de Dom Pedro II. Nós escolhemos fazer a Integração do São Francisco porque trazer água para essa região do Nordeste era uma das exigências para garantir condições dignas de vida à população", afirmou a presidenta, ao destacar o esforço de milhares de trabalhadores da obra e dos governos de estados que serão beneficiados pelo projeto. Os governadores do Ceará, Camilo Santana, e da Paraíba, Ricardo Coutinho, participaram do ato, além de parlamentares e outras autoridades locais.

Prioridade do governo federal, o Projeto São Francisco não sofreu contingenciamento de recursos e, nos dois últimos anos, reg istrou o maior desembolso financeiro desde o início das obras. Foram investidos R$ 1,8 bilhão em 2015 e R$ 1,4 bilhão em 2014. No mesmo período, a média de trabalhadores contratados girou em torno de 10 mil profissionais, indicador que reforça outra característica do projeto, de fomentar o desenvolvimento econômico na região.

O aporte de recursos nos últimos anos e o ritmo de trabalho impresso ao longo dos 477 quilômetros por onde passa o projeto permitem ao governo manter o calendário de conclusão previsto para dezembro deste ano. Mesmo antes disso, populações já serão abastecidas pela água do rio São Francisco em estados como Pernambuco, Ceará e Paraíba.

São 325 quilômetros de canais, dos quais 265 já estão concluídos - 139 quilômetros no Eixo Leste e outros 126 no Eixo Norte. Do total de 27 reservatórios do projeto, 15 foram concluídos e oito estão em fase final com mais de 95% de execução, também aptos para receber as águas do São Francisco. Outros quatro reservatórios seguem em plena atividade de construção. Onze aquedutos, do total de 13, já foram totalmente concluídos; os outros dois estão em fase de conclusão, com índice de execução entre 70% e 95%. Dos 23 quilômetros de túneis, quase 22 km estão prontos. Um dos túneis, o Cuncas 1, é considerado o maior da América Latina para transporte de água.

A segunda estação de bombeamento (EBI-2) do Eixo Norte, em Cabrobó, encontra-se em fase de testes. Outras três estações de bombeamento foram entregues pelo governo entre 2014 e 2015: as duas primeiras do Eixo Leste (EBV-1 e 2), em Floresta, e a primeira estação do Eixo Norte (EBI-1), no município de Cabrobó. Das demais estações, entre o total de nove do projeto, duas estão em estágio avançado de montagem dos equipamentos e as outras três seguem em ritmo intenso de construção. A água do rio São Francisco já percorre 79,9 quilômetros nos dois eixos.

O curso da água

O cronograma de execução das obras do Projeto São Francisco prioriza uma sequência construtiva do curso das águas, ou seja, das captações em direção aos estados que serão beneficiados pelo projeto. No Eixo Norte, a água do rio captada pelo canal de aproximação segue até a primeira estação de bombeamento (EBI-1) e é elevada a 36 metros de altura para seguir, por gravidade, até a segunda estação, num percurso de 49,6 quilômetros. Nesse trajeto, a água passa por dois reservatórios (Tucutú e Terra Nova) e quatro aquedutos (Logradouro, Saco da Serra, Mari e Terra Nova), estruturas todas concluídas.

Na EBI-2, em Cabrobó, a água será elevada a uma altura superior a 58 metros e avançará por mais 28,5 quilômetros até a terceira e última estação elevatória do Eixo Norte, a EBI-3, em Salgueiro, completando 80 quilômetros. No percurso, a água do São Francisco passará por dois reservatórios (Serra do Livramento e Mangueira) e um aqueduto (Salgueiro). A EBI-3 bombeará a água por mais 93 metros de altura para seguir, também por gravidade, por quase 180 quilômetros do Eixo Norte e, assim, beneficiar os estados de Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte.

No Eixo Leste, a água captada pelo canal de aproximação no lago de Itaparica, em Floresta, é elevada a uma altura de 61 metros na primeira estação de bombeamento (EBV-1), de onde segue até a segunda estação (EBV-2). As duas estruturas estão em pleno funcionamento. Antes de chegar à terceira estação (EBV-3), com 80% das obras concluídas, a água passará pelos reservatórios Braúnas e Mandantes, num trajeto de 32,4 quilômetros.

A EBV-3 vai bombear a água do rio por mais 63 metros de altura até chegar à quarta estação (EBV-4), depois de passar por três reservatórios já concluídos e um aqueduto em construção com 95% de avanço. A quarta estação eleva a água a mais 59 metros antes de percorrer 67,2 quilômetros até a quinta estação (EBV-5). Nesse trajeto, seis estruturas compõem o empreendimento, das quais três já estão prontas e as demais em execução - uma delas com avanço de 98% dos trabalhos.

Na quinta estação de bombeamento (EBV-5) a água do São Francisco será elevada em mais 41 metros para chegar à sexta e última estação (EBV-6) do Eixo Leste, totalizando cerca de 170 quilômetros. A EBV-6 vai bombear a água do rio em mais 63 metros de altura de onde ela escoará por canais, reservatórios e um túnel até o açude Poções, na Paraíba, completando os 217 km do eixo. De lá, a água beneficiará os estados de Pernambuco e Paraíba.

Abastecimento de residências

Além dos moradores que residem em áreas urbanas nos estados de Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte, o projeto beneficiará 78 mil habitantes de 294 comunidades rurais próximas aos canais. São elas: 12 comunidades quilombolas, 23 indígenas e nove assentamentos do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

As comunidades rurais serão atendidas por meio de sistemas de distribuição de água, obras de responsabilidade dos governos dos estados, com apoio financeiro do governo federal no montante de R$ 285 milhões.

O Ministério da Integração Nacional (MI) forneceu aos estados os projetos executivos dessas obras. Os Termos de Compromisso foram assinados com a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), do Ministério da Saúde, e com os governos dos estados da Paraíba, Pernambuco e Ceará.

Vida em comunidade

Nas ações socioambientais, o Projeto São Francisco também chega à fase final. Das 18 Vilas Produtivas Rurais (VPRs) construídas para o reassentamento de moradores que viviam na área de implantação das estruturas, 16 já estão habitadas por 623 famílias nos estados de Pernambuco, Ceará e Paraíba. A inciativa do governo federal contempla um total de 848 famílias, com investimentos de R$ 207,53 milhões. Outras duas vilas deverão ser entregues ainda este semestre, no Ceará.

As VPRs são constituídas por um setor residencial e um setor produtivo. Dispõem de redes de água, esgoto e energia elétrica, posto de saúde, escola, estrutura de lazer - praça e campo de futebol - e áreas destinadas ao comércio e à construção de espaços religiosos.  O setor produtivo tem, no mínimo, cinco hectares por família, sendo 1 ha destinado à irrigação.

 Leia também

Transposição do rio São Francisco: Projeto idealizado por D. Pedro II, ignorado por FHC (PSDB), é  acolhido para atender uma necessidade de vida no nordeste brasileiro, por Lula e Dilma

FHC (com Aécio) acima abandona a transposição do Rio São Francisco; Dilma e Lula com as obras avançadas que levarão água para 390 cidades no Nordeste (mapa). Montagem: Márcia Brasil 


Por Paulo Henrique Amorim - Conversa Afiada 

O que FHC fez na obra do São Francisco? Desistiu ! Eles, os tucanos, a grande mídia e a direita atacam Lula e Dilma e ofendem o povo nordestino que votou em massa na Presidenta.

Incapaz de levar água ao nordeste, Fernando Henrique Cardoso desistiu da transposição do Rio São Francisco; FHC (o tucano) desgovernou o Brasil e ainda mantém postura preconceituosa contra aqueles que abandonou.

Maior obra hídrica do Brasil, com mais de 10 mil empregos criados, ficou a ver navios com o Príncipe da Privataria

Com mais de 56,6% de avanço nas obras, a transposição do Rio São Francisco ficará totalmente pronta no fim de 2015, de acordo com o Ministro da Integração Nacional, Francisco Teixeira. Já são mais de 10 mil vagas criadas, o que faz da obra não ser só água, ser, também, emprego.

Orçado em R$ 8 bilhões, o projeto foi concebido em 1985 pelo já inexistente Departamento Nacional de Obras e Saneamento, mas chegou a ser planejado no reinado de D. Pedro 2º.

A construção, que começou no governo Lula e segue no da Presidenta Dilma, garantirá água para 12 milhões de pessoas, em 390 municípios nos estados do Ceará, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte.

Benefícios que não foram desfrutados pela população do semiárido brasileiro nos tempos de Fernando Henrique Cardoso. E que, provavelmente, não seriam, já que o ex-presidente desistiu da obra, como noticiou a Folha em 2001

Brasil em ação

Projeto, adiado pela primeira vez por  D. Pedro II, foi uma das promessas das campanhas de 1994 e 1998

FHC desiste de transpor o rio São Francisco


O presidente Fernando Henrique Cardoso desistiu de realizar a transposição do rio São Francisco, uma das suas promessas eleitorais das campanhas de 1994 e 1998. A decisão foi comunicada a assessores e parlamentares, segundo apurou a Folha.

“Agora não dá”

A decisão de abandonar o projeto da transposição foi transmitida pelo presidente nas últimas semanas a assessores e parlamentares. Nas conversas, o presidente usou como razão a atual seca no Nordeste, que reduziu a vazão do São Francisco para os níveis mais baixos dos últimos 30 anos.

Repetiu o argumento em entrevista publicada na sexta-feira no jornal “Correio Braziliense”: “Transposição, agora, não dá. Não tem água no São Francisco”, disse o presidente.

Na assessoria do Planalto, são enumerados outros quatro motivos para descartar a transposição. O primeiro é circunstancial. Segundo o próprio relatório de impacto ambiental encomendado pela Integração Nacional, a obra pode derrubar em até 10% a produção de energia da Chesf (a central hidrelétrica que utiliza as águas do rio) entre os reservatórios de Itaparica e Xingó.

Lula rebate FHC: "hoje nordestino anda de cabeça erguida"

São Paulo – De olho no eleitorado nordestino, tradicionalmente avesso às candidaturas tucanas à Presidência da República, a campanha de Aécio Neves (PSDB) divulgou hoje (5) nota em seu perfil no Facebook pedindo "devida investigação” das “manifestações de cunho racistas e discriminatórias em relação aos cidadãos nordestinos do país."

“A Coligação Muda Brasil apresentou à Procuradoria da República no Distrito Federal uma representação para que se promova a devida investigação dos fatos e a responsabilização de todos os autores destes crimes”, informa o comunicado, publicado na mesma semana em que eleitores do tucano, tal como fizeram em 2010, usaram as redes sociais para criticar a vitória de Dilma Rousseff (PT) nos estados do Nordeste.

O que se espera nas eleições, no ponto de vista dos menos favorecidos nos períodos de FHC (Aécio o retorno): nordestinos não elegerão alguém que tem preconceito contra os pobres e os abandonam. O nordeste será grato à Dilma, como foi no primeiro turno. Segundo cientistas políticos, no segundo turno a posição da candidata petista crescerá. E os tucanos Aécio e FHC, não conseguirão tirar votos daqueles que confiam em quem mais acolheu o povo do sertão, Lula e Dilma.

Cartaz do deputado Guimarães celebra a visita (06.05) de Dilma em Juazeiro do Norte - Ceará

Com informações da Folha, Estadão, Paulo Henrique Amorim e Rede Brasil Atual.

Nenhum comentário: